segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Ch-ch-ch-changes

Na ponta dos meus dedos e no meu cérebro, essa massa cinzenta que nos separa de todas as feras mas nos faz um pouco piores, estão os elementos do meu ganha pão. A minha razão de existir, de me alegrar e ainda conseguir sorrir depois de tudo. O escrever. 

Há algum tempo, eu, apaixonada e intensa, havia murchado. As situações do cotidiano do trabalho vinham me deixando chateada e desanimada. A demanda existe pra ser cumprida, mas eu não me sentia mais motivada. Alguma coisa havia secado, ali dentro de mim, como um riacho que seca no verão. Ele há de se encher novamente, mas é preciso esperar as chuvas e as monções, e todas as mudanças do vento. E eu impaciente, sem querer esperar o ânimo voltar, sem saber muito bem como retomar o gosto pelas pequenas batalhas do meu emprego, do meu ofício. 

A gente doa oito horas por dia do nosso tempo pra algum projeto, mas acaba entregando muito mais que isso. E percebi que se não fosse mais sorrindo, não adiantava. Que não ia mais vingar, e os resultados iam ser apenas meio resultados, e a insatisfação seria uma constante. Eu não podia me dar ao luxo de ter mais isso, ainda, meio torto na minha vida. A banda que não vinga, os relacionamentos amorosos que não fluem, a falta de vontade pra sair na balada, o desânimo pra lavar o carro, tudo isso pode continuar meio capenga, porque nada é sério e é tudo facilmente resolvível. Mas o trabalho, o ganhar o pão, a confiança em mim mesma e a empolgação das pequenas vitórias, ah, isso não poderia, de jeito nenhum. 



Me encontrei ansiosa sobre a decisão de deixar meu emprego de dois anos, e em silêncio. Não confiei meus sentimentos de verdade pra ninguém, e isso foi um mau hábito que desenvolvi desde que... sei lá desde quando. Acho que desde que me vi realmente sozinha. Não avisei ninguém, de início, sobre essa vontade de mudar. Mas as pessoas que me cercavam já haviam notado. Então quando parecia mais palpável, anunciei a minha dúvida. Mudar não é fácil e eu estava morrendo de medo. Medo de dar errado, de não me adaptar. Medo pelos feriados que eu não teria mais, dos domingos trabalhando, do salário que é o mesmo. 

Ansiedade me carcomendo por dentro, até o momento em que eu resolvi dizer que ia mudar. Anunciei em voz alta, na claridade. Mudei, mudei de emprego. 

Agora sou repórter de jornal impresso diário.

Eu nunca havia estado em jornal impresso. Todos os dias levo solavancos, como em tudo na vida, mas a experiência na agência me deu um escudo muito forte. Todos os dias me sinto mais recompensada pelas minhas escolhas. É lindo estar do outro lado da moeda. Saudades de todos do outro trabalho, das experiências múltiplas. A certeza de que outras virão. 

Guardei esse post com carinho durante dias antes de vir aqui e falar. É um novo momento, e amanhece de novo. Ali fora, e aqui, na minha vida.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários.